Thrash com H

20 ANOS DEPOIS…

sábado, 28 março, 2015 por Txuca

deathFNM

… o q ficaram?

6 respostas

  1. Jairo

    Pra mim de longe o melhor album do Death, técnico, veloz na medida certa e visceral.

  2. doggma

    Álbum reverenciado, com hits certos nos shows, mas após a descida ao inferno de “Angel Dust”, soou estranhamente normal e sóbrio pra mim. Ainda hoje não me acostumei totalmente com ele.

  3. Marco Txuca

    Jairo tratou de “Symbolic” e doggmatico, de “King For A Day, Fool For A Lifetime”, certo?

  4. Tiago

    Ficou 2 clássicos. A constante evolução do Death chegava em mais um limite extremo e o FNM pariu seu melhor disco. O seguinte, e último até este ano, é um apêndice palido comparado a este.

  5. Marco Txuca

    Pego a deixa do Jairo sobre “Symbolic”: pra mim tb o melhor álbum. Auge técnico, composicional e de produção.

    Ao contrário do anterior, o tb fodaço “Individual Thought Patterns”, este aqui tem mais cara de “banda” e ñ de projeto. Minha música favorita do(s) cara(s) tá nele, “1000 Eyes”.

    ***

    Quanto ao FNM, vou na do Tiago: pra mim, é o melhor tb. Pelo motivo do qual o amigo doggmático o estranha:

    os caras, neste, parecem ter deliberdamente trocado a idéia de pirar um monte em cada música, pra pirar um monte em disco. KFAFFL é álbum q parece 3 álbuns diferentes. Dá pra agrupar os sons paralelamente, em experimentais (“Star A.D.”, “Caralho Voador”, faixa-título, “Cuckoo For Caca”), pesados (“Get Out”, “Ugly In the Morning”, “What A Day”, “The Gentle Art Of Making Enemies”), groovies/soul (“The Last to Know”, “Take This Bottle”, “Just A Man” – épica) e pops (“Evidence”, “Ricochet”, “Diggin’ the Grave”).

    É um disco ainda da “era álbum”, de quando se ainda ouvia um disco música a música, de cabo a rabo. Hoje tvz soe como prolixo demais. Tvz tenha pairado alguma intenção comercial por detrás, e tb se situarem em meio ao rock comercial pesado vigente, depois da porra-louquice espalha bosta (“fazemos o q queremos e ñ queremos o público de embalo-mtv”) do anterior. Ñ “se venderam” por isso, continuaram em seus próprios termos e exceções.

    Falta um pouco de teclado nele, por parecer q o tecladista Roddy Bottum andava se estranhando com os caras, e vice-versa. O “Album Of the Year” seguinte, menos inspirado, ficou com a mesma pegada.

    Isso tvz gere estranheza tb, quando comparado a “Angel Dust” e “The Real Thing”.

  6. märZ

    Também acho Symbolic o melhor do Death, e King For a Day acho… ok.

Comente este texto

Importante: Os comentários são moderados e por isso o seu pode demorar a aparecer. Não é preciso reenviar seu texto.