Thrash com H

METALLICA WHO?!

terça-feira, 17 novembro, 2020 por Txuca

Nem lembrava mais do Therion. Sequer sabia q ainda existia, muito menos q estão Christofer Johnsson está prestes a lançar disco novo, “Leviathan” (q ñ é tributo ao Mastodon) no próximo 22 de janeiro, em 2021.

Parece um retorno à boa vibe perdida em “Lemuria” e “Sirius B”.

Enquanto isso, “S&M 2”, cd duplo sem dvd, está custando 130 REAIS na Galeria do Rock.

***

A outra orquestração da vez o YouTube me lançou no celular.

Ñ consegui saber se esse DeathOrchestra teria sido apenas um show tributo + dvd souvenir ou se é um projeto ativo. Parece coisa de gente dedicada vinda do Leste Europeu. E com cd lançado.

Ñ tenho gabarito pra discutir Death. Ainda. Gosto, mas nunca aprofundei.

Sei q curti o som e a abordagem. Enquanto os tributos a Chuck Schuldiner ñ saturarem, vou curtindo.

Enquanto isso, “S&M 2”, CD DUPLO SEM DVD, está custando 130 covids na Galeria do Rock.

9 respostas

  1. André

    Pensei que você fosse entusiasta do Therion. Desistiu?

    Quanto ao som, não sei o que dizer. Não conheço Therion direito e nem sei dizer se gosto ou não. Mas, esse som entrou por um ouvido e saiu pelo outro.

    Sei lá, não tenho muito tempo pra essas versões orquestradas. Parece que pra ser considerado algo ‘adulto’ e ‘sério’, as bandas tem que fazer essas paradas com orquestra.

    “Enquanto isso, “S&M 2”, CD DUPLO SEM DVD, está custando 130 covids na Galeria do Rock.”

    Que só (ou nem?) os paga paus vão comprar. Os mesmos que estão ovulando pelo disco ter sido número um na Billboard, como se isso ainda fosse digno de relevância. Bom, a ala idosa dos fãs deve ter comprado.

    Ainda assim, tudo isso não deve ser pior que a minha vizinha vociferando os hinos da igreja dela. Amén?

  2. Thiago

    Descobri DeathOrchestra dia desses, ao acaso. Além de “Spirit Crusher”, ouvi “Voice of the Soul”.

    Em primeiro lugar, é preciso pôr em destaque a banda em si. A competência em emular o timbre de Chuck na guitarra e as conduções quebradas de Richard Christy na bateria é elogiável.

    Em geral, gostei de ambas, mas há um problema do qual padece tanto o DeathOrchestra quanto S&M e quase todos os demais discos do gênero, que é transformar os instrumentos clássicos em replicadores de riffs ou linhas vocais. Isso é muito pobre. Houvesse alguém capaz de expandir o vocabulário, integrando o tecido clássico a contrapontos, camadas e outros às composições originais, os resultados seriam muito mais satisfatórios, a meu ver.

  3. FC

    “Houvesse alguém capaz de expandir o vocabulário, integrando o tecido clássico a contrapontos, camadas e outros às composições originais, os resultados seriam muito mais satisfatórios, a meu ver”.

    Esse é um mal de que também padecem muitos projetos acústicos. Algumas bandas têm a chance de adicionar novas texturas e arranjos, mas fazem apenas versões iguais, mas com violões.

    Quanto ao Therion, apenas passável. Parei no Lemuria/Sirius B.

  4. märZ

    Absolutamente não tenho paciência para versões orquestradas de heavy metal, ainda mais quando geram inaudíveis e inodoros albuns inteiros de material. Nunca comprei S&M nem compraria qualquer outra empreitada do tipo de seja lá quem for.

  5. Tiago Rolim

    Quanto ao Metallica, pode se acostumar com isso. O novo do AC/DC também vai ser só importado. Em média uma 140 kitsgays. É a nova “lógica” do mercado.

  6. märZ

    Novos do Ozzy e AC/DC só importados, não serão lançados no Braziu. Aguardando Argentina e Chile, países roqueiros de verdade, lançarem pra comprar a 55 cada.

    Cópias americanas entre 120 e 140 não dá.

  7. Marco Txuca

    Esse Ozzy novo o amigo da SoWhat já falou q ñ vai sair nacional. Na Galeria só tem argentino.

    AC/DC novo, do q já ouvi, eu passo. Daqui a uns anos, se encontrar em bazar a 5 contos, pego.

    Quanto a bandas com orquestra, falta alguma q componha diretamente pra orquestra. Therion é a q mais chegava perto* – e tenho os pós “Lemuria”/”Sirius B” (“Gothic Kabbalah”, “Sithra Atra” o em francês e “Beloved Antichrist”) – todos mornos. “Live Gothic”, com o ex Mercyful Fate Snowy Shaw arrebentando em vocais e figurinos (!!) foi exceção, pq ao vivo com o melhor dos discos pós-“Theli”.

    * só me ocorrem os saudosos Jon Lord e Frank Zappa, q compunham assim.

  8. bonna, generval v.

    Falando em preço, e o bluray do Nick Mason custando quase R$300!! Tive que apelar para o streaming… R$11,90 no Google Play.

  9. Marco Txuca

    Pego a deixa ainda dos preços: AC/DC novo chegou na SoWhat, importado. Box com livro de 20 páginas com foto, cabinho USB e lâmpada (caixinha luminosa). O cabinho é pra carregar a lâmpada de vez em quando.

    E tem UM cd. Novo. Pela bagatela de 450 covids.

    ***

    Blu-ray acho q o Tiago já tinha falado (lá nos Colecionadores/Acumuladores) q está morrendo. Deve morrer aqui no Brasil até antes do dvd.

    Dvd o märZ outro dia me falou q tem encalhado grandão na hora de vender. Povo aderiu ao streaming e dvd ocupa espaço demais. Tende a extinção.

    E ai, tudo o q vai entrar em extinção – e isso é Psicologia Comportamental – aumenta a freqüência antes de morrer. No caso, por aqui, tvz os preços…

    2021 pouca gente está olhando, mas vai ser muito pior q 2020, economicamente falando.

    Ñ tem previsão de fim da pandemia, entraremos numa recessão ainda mais fudida, e quem gastou dinheiro com Kiss, Metallica, Lollapalooza ñ vai conseguir de volta a grana (graças ao Capetão). Quem comprou Rock in Rio ano q vem tende a se foder tb.

    E é só esperar pelos reajustes de aluguel e convênio médico pra ver o quão pior as coisas deverão ficar ainda.

    Enquanto isso, estratégia de mercado de vender cd’s como box a preços indecentes. Lojistas estão apontando uma arma contra a própria cabeça.

    Vai piorar.

Comente este texto

Importante: Os comentários são moderados e por isso o seu pode demorar a aparecer. Não é preciso reenviar seu texto.