Thrash com H

15 ANOS DEPOIS…

domingo, 25 junho, 2017 por Txuca

slfly

… o q ficou?

13 respostas

  1. André

    Afora alguns sons matadores (L.O.T.M., Call To Arms, Downstroy)e o momento maior de vergonha alheia do Max(Brasil), ficou nítido a falência musical do mesmo. A dificuldade de manter uma formação estável na banda. A falta de senso de ridículo.

    Pra mim, foi o momento que ambas as partes deveriam ter se tocado que separadas, não dariam em nada. Pelo menos, nada aos pés do que eles foram no passado, até então, pouco distante.

  2. bonna, generval v.

    Foi a primeira grande bola fora da banda. Não ouço desde que foi lançado.

  3. Tiago Rolim

    Tb acho ele fraco. Mas melhor que o primitive anterior. Tem uma das piores músicas de Max na vida dele. E não é a Brasil, é a tal de One. Ô coisa insuportável essa música! !
    Mas, por ser uma relativa melhora em relação ao anterior, mostra um futuro. Futuro esse que se mostrou ótimo com o Prophecy!

  4. Marco Txuca

    Vou um pouco na do Tiago, concordando um tanto com o amigo André – na “falência musical” citada:

    pro meu gosto, “3” é o primeiro disco bão do Soulfly. Mesmo q ñ seja bão hj. Dou a ele crédito pela “falência” de abrir mão do new metal. Tem ainda muita macumba pra gringo, mas um pé no thrash evidente, haja visto o cover de Sacred Reich.

    Sacred Reich outrora empresariado – e dado em nada – pela Gloria Cavalera q ainda ñ era Cavalera…

    Max retomando seus instintos e veia rústica, em detrimentos das Leis de Mercado. Sempre foi sagaz, até mais q a patroa. A trinca de abertura (“Downstroy”, “Seek & Strike”, “Enterfaith”) acho digna até hj.

    A dificuldade em manter uma “formação estável” procede: um entra e sai de gente q parecia ñ entender q Soulfly é o Max e a mulher dele. Estabilizaram a formação, e a banda (Marc Rizzo entraria pra ñ mais sair), no “Prophecy” seguinte, absurdo de bão e variado e macumbeiro… e sem modismo new metal.

    Em suma: “3” é fraquinho, mas ñ acho pior q “Soulfly” e “Primitive”. Ah, e legou ainda o terceiro capítulo da choradeira pelo enteado. Luto patológico perde.

  5. Tiago Rolim

    Acho o primeiro legal. Tem muita coisa de manguebit que eu gosto . Também quase metade na nação zumbi toca nele. A mistura de manguebit e New metal ficou legal. Mas foi apressada e feita sem depurar do modo correto. Por isso que o Against é melhor. .

  6. Tiago Rolim

    E só p dar um.pitaco no que André falou. Não acho que a volta seria uma boa. Como não é atualmente. A separação foi quase que natural na vida deles. E os dois lados se deram bem de uma forma ou outra. A discografia de ambos mostra isso. O pecado é que nem um, nem outro, se desligaram do passado do modo certo. Mas 20 anos depois, da p dizer que a separação foi frutífera. E é legal ver como as coisas mudam. O Sepultura tá com uma moral boa atualmente é Max tá aí se queimando diariamente…

  7. André

    Bom, Tiago, se deram bem é meio relativo. Mas, entendo o seu ponto. Acho que mesmo que a reunião aconteça agora, não terá o mesmo impacto que teria dez, quinze anos atrás.

    “Ah, e legou ainda o terceiro capítulo da choradeira pelo enteado. Luto patológico perde.”

    Aí que entra a falta de senso de ridículo.

    Sou o único aqui que não gosta do Prophecy. Acho um disco bem fraco pra dizer a verdade. O Soulfly sempre foi pra mim banda irregular com alguns lampejos de genialidade. Quase uma caricatura. Por outro lado, curti pra caralho o Killed Or Be Killed. Pena que ficou só em um album.

  8. Marco Txuca

    Está todo mundo bem na fita. Max sai em tour com Iggggggor pra tocar o “Roots” e todos ganham royalties.

    O q me parece, a real, é q os caras daqui ñ querem morar fora (Andreas e sua esposa e filhos – senão, estaria facinho no Anthrax, no Death Angel ou no Exodus) e as esposas da galera ñ se topam.

    O dim-dim cai na conta de todos, no fim.

  9. Tiago Rolim

    Um amigo postou um show do Sepultura e de Max e Igor em um.festival desses de verão. A diferença de performance é inacreditável! Derrick não chega aos pés de Max. Mas o Max que ele não chega aos pés é o do passado. No máximo até 2004. De lá para cá ele não tem como ser pior! Não toca guitarra, não canta mais porra nenhuma, e em uma hora de show já tá botando os bofes p fora. Vi em dezembro e posso falar de cátedra. Lamentável.

  10. Tiago Rolim

    Detalhe: os shows foram em dias seguidos no mesmo festival. Uma diferença de 24 horas. Mas que parece de anos. Max parece um velho em comparação com Vera Verão!

  11. Marco Txuca

    E isso pq ñ chegou aos 50 ainda. Tá pra fazer 48 mês q vem…

    Se parar com a maconha, tomar mais q 2 banhos por semana e deixar de leseira, retoma uma certa forma e dou mais uns 10 anos de lenha – lenha! – pra queimar.

  12. märZ

    Faço coro com os que acham o disco fraco.

  13. märZ

    Nem a capa presta.

Comente este texto

Importante: Os comentários são moderados e por isso o seu pode demorar a aparecer. Não é preciso reenviar seu texto.