Thrash com H

RATOS DE PORÃO/LIXOMANIA

quinta-feira, 30 novembro, 2017 por Txuca

Noite de quinta-feira (passada) catártica por aqui.

Apesar do dia estranho pra show, condições pra lá de favoráveis: no Sesc Pompéia às 21h30min e a 20 golpes um baita show da melhor banda crossover do mundo, Ratos de Porão, com abertura de banda punk “raiz”, daquelas q foi da 3ª divisão do punk paulistano histórico, sem nem deixar muito registro (encerrada em 1983, retomada em 2002), o Lixomania.

****

Ao RDP: só fazem show ruim se quiserem. Plenitude da forma E do conteúdo. Som absurdo, desempenho ainda mais absurdo do Boka. Mudassem o nome pra “Máquina de Precisão” ñ ficaria descabido. Porrada, acidez, sangue nos olhos, “machadada no pescoço” (sic), virulência, contundência, relevância, urgência e visceralidade.

“O rock brasileiro é uma farsa comercial”? Cada vez mais limpinho e omisso, isso sim.

Gordo estava claramente alterado, e ñ por causa da Heineken (mais de uma?) q ostentou durante boa parte da apresentação. Se mostrou nitidamente perplexo, revoltado, inconformado e ranzinza perante a situação política nacional. Consonante ao artigo no UOL recente e lembrado pelo amigo Jessiê por aqui semana passada – http://www.uol/entretenimento/especiais/joao-gordo.htm#o-punk-de-saco-cheio

“Política”? Caralho, era um evento punk.

90% de seus comentários foram na linha do “pau no cu do Bolsonaro”, “vamos votar, pq voto nulo vai eleger esse nazista”, “bancada evangélica do caralho” (antes de “Igreja Universal”), “Escola Sem Partido e MBL filhos da puta” e “sempre fomos contra tudo isso aí”. O q a História ñ desmente.

A minha perplexidade ante isso foi perceber a APATIA das pessoas nos primeiros comentários. Passividade e indiferença perigosa, sintoma de descrença e desamparo, mas tb de conformismo? Só escapismo em vigor? Alguém no falido rock brasuca – fora o desacreditado Tico Santa Cruz, Nação Zumbi e Ratos de Porão – tem mostrado a cara e falado a real? Tá foda.

****

Ñ me recordo do setlist na ordem: começaram com material recente (do pertinentaço “Século Sinistro”) e foram desovando som após som, de praticamente toda discografia – faltou só do fraquinho “Onisciente Coletivo”, do “Descanse Em Paz” e de “Guerra Civil Canibal”– em algo q deve ter durado hora, hora e meia.

Muito mais consistente q horas initerruptas de Globo News e de décadas de capas de Isto É, Veja e Época.

“Ódio”, “Lei do Silêncio”, “Amazônia Nunca Mais”, “Asas da Vingança”, “Não Me Importo”, “Crocodila”, “Crianças Sem Futuro”, “Ignorância”, “Crise Geral”, “Crucificados Pelo Sistema”, “Beber Até Morrer”, “Testemunhas do Apocalipse”, “Igreja Universal” (melhor riff de Jão), “Aids, Pop, Repressão”, “Morrer”, “Herança” (a melhor), “Periferia”, “Desemprego” e etc.

Faltou coisa? “Terra do Carnaval” deveria virar Hino Nacional. Uma ou outra coisa do “Feijoada Acidente – Nacional”, pra celebrar o evento, esclareço abaixo. “Retrocesso” (pra falar de Bolsonóia)… Tvz tenham faltado pra alguém chato como eu. No fim, ninguém reclamou. E se havia gente – tvz houvesse – q estava ali pela 1ª vez, no embalo de ver a “banda do Gordo do You Tube, da Mtv”, das duas uma: ou saiu cagado de medo sem entender nada até agora, ou teve a vida mudada abruptamente. Ratos de Porão ñ é pra qualquer um.

Mas deveria ser.

****

Ao Lixomania tb fui simpático. Apenas achei q tocaram demais. Punk veia 1977, com 2 veteranos (vocalista Moreno e baterista Miro) e mais 2 moleques – q eles, ñ mais jovens q eu – completando o time na guitarra e no baixo.

Muito punk das antigas no recinto, sabendo de quem se tratava quando o vocalista dedicava um ou outro som ao povo “das antigas”. Gente já ñ velha e gorda, mas QUADRADA: se puserem bermuda ficam no naipe Bob Esponja. Dedicaram 2 sons do Fogo Cruzado a um integrante recém-falecido destes, Frangão. E contaram com participações de Gabriel Thomáz (Autoramas) num som e de Jão (cada vez mais seu Madruga e velhão, em seu bigodão e cabelo tigela de surfista véio) num outro. Foram dignos, pertinentes e capazes. Zero naftalina.

*****

Pois se tratava tudo dum evento intitulado “40 Anos de Punk”, q teve em dias anteriores e posteriores, ali no mesmo Sesc, shows de AI-5 e Restos De Nada (reformuladas e provavelmente capengas; na véspera), de Mercenárias e Patife Band (tb reformuladas e longe do q foram; representando o “pós-punk” brasileiro) no dia seguinte, e q contou com show celebratório final no domingo, com banda jam session (vocalistas da época revezando) de titularidade contando com Clemente (Inocentes), Mingau (atual Ultraje a Rigor) e Muniz (Fogo Cruzado) tocando sons de bandas q pariticparam d'”O Começo do Fim do Mundo”, festival punk lendário, ocorrido naquele mesmo Sesc Pompéia.

O punk brasileiro tem História, q graças a Clemente (curador no Sesc) nunca deixa de ser contada. No meu entender, algo q tem seus prós e contras, sendo o maior “contra” o saudosismo meio estéril, meio Jovem Guarda. Mas tvz seja melhor alguma memória do q nenhuma. Ou do q achar q Capital Inicial é rock pauleira com crítica social, tocando Legião Urbana e mandando “fora Temer” no último Rock In Rio…

“O Q É Q EU FIZ PARA MERECER ISSO?”

5 respostas

  1. märZ

    Deve ter sido foda. RDP é sempre garantia de show divertido e surdez coletiva. Melhor banda de róque do Braziu, de qualquer estilo.

    O que me lembra: ainda não comprei o “Século Sinistro” em cd… deve ser bronca da capa feia.

  2. Jessiê

    Pareceu muito bom. Show deste naipe por aí não rola treta? O último que fui do RDP o gordão estava tão louco que ele nem sabia onde estava (tipo cidade mesmo) e mal parava em pé… Mas tem tempo, ainda era João (extremamente) Gordo.

  3. Marco Txuca

    Sem NENHUMA treta. Punks, das antigas e novos, headbangers, gente descolada, público flutuante… tudo de boa. Unidos pelo cheiro de breja no ar.

  4. André

    “A minha perplexidade ante isso foi perceber a APATIA das pessoas nos primeiros comentários. Passividade e indiferença perigosa, sintoma de descrença e desamparo, mas tb de conformismo?”

    O que mais tem por aí é roqueiro coxinha. Vide os Ex-Garotos Podres, agora, apenas “Garotos”.

  5. Marco Txuca

    Pior dos ex-Garotos Podres, tornados “Garotos”, mas q agora tiveram “Garotos Podres” retomados por Mao, é q são reaças/bolsonóias.

    Q tb predominam entre os defensores do “metal nacional”.

    O resto é Skank e Capital Inicial tirando fotos com o Capitão Cueca Sergio Moro. Herói do Brasil era o Kid Vinil!

Comente este texto

Importante: Os comentários são moderados e por isso o seu pode demorar a aparecer. Não é preciso reenviar seu texto.