Thrash com H

10 ANOS DEPOIS…

sábado, 20 outubro, 2018 por Txuca

… o q ficou?

UM ANO DEPO1S…

sábado, 20 outubro, 2018 por Txuca

… o q ficou?

MELHOR/PIOR CAPAS

sexta-feira, 19 outubro, 2018 por Txuca

Sarcófago

melhor capa: “Rotting”
pior capa: “Decade Of Decay” (coletânea)

25 ANOS DEPOIS…

quinta-feira, 18 outubro, 2018 por Txuca

… o q ficou?

LEGENDA

quinta-feira, 18 outubro, 2018 por Txuca

 

Precisa-se. Bora?

ENCARTE: VIOLETA DE OUTONO

quarta-feira, 17 outubro, 2018 por Txuca

Release por René Ferri na versão 2 em 1 meia boca lançada (em cd) em 1995 contendo “Violeta de Outono” (1987) e “Em Toda Parte” (1989):

Quando o Violeta de Outono despertou o interesse da mídia cultural em meados dos anos 80, sua reputação já era enorme. Ocorria então uma inexplicável onda de rock no Brasil, que formou no seu meio, uma razoável infra-estrutura de teatros, danceterias, clubes, inferninhos e outros espaços, francamente inclassificáveis, para abrigar as mil e uma bandas que surgiram de repente.

São Paulo foi a meca do ‘movimento’ (mesmo que muitos grupos tenham se formado no Rio de Janeiro) e o Violeta de Outono surgiu naquele movimento eufórico do rock brasileiro, quando os grupos musicais, na sua maioria maciça, procuravam se assemelhar em sonoridade as bandas de rock inglês que estavam em voga, mas procurando uma identidade própria, aprendendo a compor e cantar rock em português. Os gêneros variavam minimamente: new-wave, pós-punk e o então emergente dark-gótico dominavam a cena.

O Violeta de Outono apareceu com uma proposta incomum, a começar pelo seu formato, um trio; na história do rock geral, trios são uma raridade e no rock brasileiro, Violeta de Outono é o único, solitário, ‘power-trio’ bem sucedido. Depois, a formação cultural e musical de seus componentes, Claudio Souza, Fabio Golfetti e Angelo Pastorello, ia muito além da leitura de paradas de sucessos e audição dos discos incensados pelos seminários ingleses New Musical Express e Melody Maker.

Bastou uma série de apresentações ao vivo, para que o Violeta de Outono, antes de gravar seu primeiro disco, virasse cult, conservando este status até hoje, sendo que nenhuma outra banda brasileira fez por merecer tal epíteto.

Numa recente apresentação no Centro Cultural São Paulo, na primeira aparição ao vivo após uma ausência de quase três anos, mais de 700 pessoas foram vê-los. Três gerações estavam lá, acotoveladas e felizes em rever seus heróis tocando aquele envolvente rock progressivo, com influências de música oriental, pop-psicodélica e folk. Embora afastados dos palcos e estúdios temporariamente, o Violeta de Outono jamais parou de produzir, conservando-se afiadíssimo e cultivando um repertório renovado.

Ouvir a encantadora música do Violeta de Outono é se intoxicar de emoção completamente, como quando numa noite de outono, olhando para a vermelhidão tingindo o azul transparente do céu, nos lembramos de alguém que amamos“.

30 ANOS DEPOIS…

terça-feira, 16 outubro, 2018 por Txuca

… o q ficou?

DOIS ANO2 DEPOIS…

terça-feira, 16 outubro, 2018 por Txuca

… o q ficou?

TERRY LARRY Gary JERRY HARRY

segunda-feira, 15 outubro, 2018 por Txuca

RANKING DE GARY’S:

  1. Gary Lee WeinribGeddy Lee (Rush)
  2. Gary Wayne Holt – Gary Holt (Exodus, Slayer)
  3. Robert William Gary MooreGary Moore (Thin Lizzy)
  4. Gary Charles Samuelson – Gar Samuelson (Megadeth)
  5. Michael Lee Gary Pearson – Michael Lee (Robert Plant, Page & Plant)
  6. Gary Chambers – Gus Chambers (Grip Inc.)
  7. Gary Hoey
  8. Gary Jennings – Gaz Jennings (Cathedral)
  9. Gary Francis Caine Cherone – Gary Cherone (Extreme, Van Halen)
  10. Gary Anthony James Webb Gary Numan

UM ANO DEPO1S…

domingo, 14 outubro, 2018 por Txuca

… o q ficou?

« Previous Entries