Thrash com H

20 ANOS DEPOIS…

sexta-feira, 23 fevereiro, 2018 por Txuca

… o q ficou?

TRÊS ANÚNCIOS DE UM CRIME

quinta-feira, 22 fevereiro, 2018 por Txuca

Resenha/comentário por märZ

“Three Billboards Outside Ebbing, Missouri” (no Braziu “Três Anúncios de um Crime”) é desses filmes que, se fosse um disco, seria algo como “13 Songs” do Fugazi. Ou se fosse uma comida, seria aquela jambalaya servida num restaurantezinho minúsculo de beira de estrada em Nova Orleans. Nada muito grande ou famoso, mas um favorito entre os que conhecem.

A personagem de Frances McDormand é fascinante em sua força e caráter, sua determinação e doçura (sim, o mau humor é só uma casca). Mulheres assim são apaixonantes. Adorei o filme.

ENCARTE: KREATOR

quarta-feira, 21 fevereiro, 2018 por Txuca

Contracapa do “Renewal” (1992):

Legalize marihuana!

ULRICHIZANDO E ANDANDO

terça-feira, 20 fevereiro, 2018 por Txuca

E pra q serve a internet mesmo? Pra difundir tranqueiras. Sobretudo no You Tube, playground digital.

Minha recente descoberta por ali é um certo Josh Steffen, baterista com senso. E senso de humor.

Q deve ter pensado: “ah, tem tanta gente se filmando tocando (certo/errado) sons consagrados. Vou fazer tb, mas de outro jeito”. E sem vergonha alheia, a ñ ser a do homenageado. Assim: maioria dos vídeos encontrados ele toca sons de outras bandas como fosse Lars Ulrich tocando. Inclusive sons ñ-metal.

Songs getting larsed.

Meu preferido segue abaixo: como seria “Holy Wars… the Punishment Due” com ele tocando? Reparem a preguiça de seguir as palhetadas, a indolência do pé direito e a marra. Sujeito imita com perfeição até a linguagem corporal do dinamarquês. Só q sem perder a levada. Aliás, como é com Lars.

E mesmo mostrando-se bem mais técnico q o titular.

Tem ainda versão tocando “Symphony Of Larstruction”, impagável. Sem qualquer suingue. E fazendo “War Ensemble” (Slayer), dum modo tão broxa e coerente – abusando do china – q a gente acredita mesmo q ele assassinaria o som, sem dó.

Só q posto ainda o q seria Lars Ulrich tocando “Metropolis” (Dream Theater) com a caixa estalada do “St. Anger” ahah

E ainda recomendo outro link associado, de Jeff fazendo como seria Mike Portnoy tocando “Two Minutes to Midnight” (Iron Maiden). A ñ ser q alguém por aqui sofra de labirintite, tb diversão garantida eheh

***

Quer dizer: saber tocar e deixar filmando, hj em dia tá cheio. Beira o insuportável. A ñ ser umas minas de shortinho tocando bateria. O diferencial acaba sendo o humor.

F 33.2

domingo, 18 fevereiro, 2018 por Txuca

DISCOS DO PORTISHEAD PRA MIM:

  1. “Portishead”
  2. “Dummy”
  3. “Roseland NYC Live”
  4. “Sour Times (Nobody Loves Me)” (ep)
  5. “Third”

MELHOR/PIOR CAPAS

sexta-feira, 16 fevereiro, 2018 por Txuca

Black Label Society

melhor capa: “The Blessed Hellride”
pior capa: “Hangover Music Vol. VI”

30 ANOS DEPOIS…

quinta-feira, 15 fevereiro, 2018 por Txuca

… o q ficou?

15 ANOS DEPOIS…

quarta-feira, 14 fevereiro, 2018 por Txuca

… o q ficou?

ENCARTE: ATARI TEENAGE RIOT

quarta-feira, 14 fevereiro, 2018 por Txuca

Pingos nos i’s e cedilhas nos ç’s devidamente cravadas no encarte de “60 Second Wipe Out” (1999):

For the avoidance of doubt, all music on this record, except where specifically noted, was played by or compromises of samples originally created by Alec Empire & Nic Endo of Atari Teenage Riot“.

DA TERRA DO CARNAVAL

terça-feira, 13 fevereiro, 2018 por Txuca

Ñ lembrava disto aqui. Pensando melhor, ñ conhecia isto aqui. Cliquei achando q fosse um especial da Mtv Brasil, q chegou a legendar umas letras pra melhor compreensão (?!?!) dos neófitos. E q eu tenho  gravado nalgum vhs embolorado. Mas ñ é.

Show dedicado aos então 25 anos de “Cada Dia Mais Sujo e Agressivo” em 2012, com o mesmo tocado inteiro e na ordem. Participação insana da plateia, comentários de Gordo pra lá de afiados. Acabada a suíte, ainda outras DEZENOVE marchinhas.

Incluídos covers feijoada, revival (involuntário?) de “RDP Vivo” e outras bestialidades devastadoras.

***

Depois dessa, ainda achei outro link com show de 30 anos do “Crucificados Pelo Sistema”, com formação de 1983 – Gordo, Jabá, Mingau e Jão (na bateria) – arregaçando no Circo Voador. Q eu nem sabia ter saído em dvd.

Daí fui à Galeria ontem à tarde comprar. Peguei o penúltimo da loja; sujeito fã de Ratos de Porão entrou 5 minutos mais tarde e pegou o último.

Meu Carnaval ñ tá no ar, nem Globeleza. E tô q tô legal.

« Previous Entries