Thrash com H

20 ANOS DEPOIS…

domingo, 25 abril, 2021 por Txuca

… o q ficou?

8 respostas

  1. Leo

    AGORA entendi a referência do post anterior.

    Ficou um PUTA álbum, um clássico strictu sensu. Capaz de influenciar uma geração, marcar um novo formato pra musicalidade do próprio arch enemy, e, arrisco, popularizar o gutural feminino.

  2. Marco Txuca

    Exatamente. Hatefulmurder nasceu aqui.

  3. André

    FIcou o melhor disco com com a Angela no vocal e quicá da carreira. Nada que veio depois se equipara.

  4. Leo

    Garanto que sim, Marcão.

    Conheço a Angélica há tempos e a referência dela sempre foi a Angela.
    Ela tinha, inclusive, um cover de Arch Enemy antes do Hatefulmurder.

    Aliás, quando o Hatefulmurder aposta nela como vocalista, faz muito bem, pq se catapulta.

    Já o Torture Squad, por exemplo, acho que hoje tem uma vocalista melhor que a própria banda – não que sejam maus músicos, mas não acho que acertaram a mão desde a saída do Victor.

    Jessiê tem feito um trampo ótimo na @bangersbrasil pautando bandas com vocais femininos, como Hamen, In Raza, o próprio Hatefulmurder, …

  5. Marco Txuca

    É o “disco do shortinho”.

    Já tinha ouvido falar em Arch Enemy. Q era do Amott, ex-Carcass, e acho q já tinha ouvido algo em fita, duns caras com quem tentei montar banda autoral em 2000. Mas ñ tinha caído a ficha, ñ dei atenção.

    Ñ lembro se comprei “Burning Bridges” antes de “Wages Of Sin”, mas lembro do impacto deste. A ver com um pôster na RC da Angela com shortinho. Achei q teria q comprar aquele disco imediatamente eheheh

    (e eles, sabiamente, ñ usaram desse sex appeal no encarte. Aliás, nunca usaram)

    E na hora de ouvir direito (né, Jairo?), lembro haver ficado impressionado com os bumbos em “Enemy Within” e logo após, com o vocal. Sério q era mulher cantando?

    Pra mim, um baita disco e q infelizmente ñ repetiram. Tem uns cacoetes Megadeth aqui e ali bem interessantes. Mas meu preferido, mesmo a banda passando muito longe de figurar entre as minhas 128 bandas preferidas, ainda é “Doomsday Machine”, uma paulada.

    Quanto a Angélica, tive a referência pela live q o Jessiê fez com ela. Certamente Angela e Arch Enemy começaram algo – q tvz nem eles/ela intencionavam – aqui.

    E a minha versão é dupla, com covers de Judas e Maiden bastante desnecessárias. Ñ é o q chama pro disco.

  6. märZ

    Existem sempre aquelas bandas que você, de um ponto de vista completamente pessoal e às vezes inexplicável, simplesmente não consegue pegar gosto. Todos devem ter uma lista de artistas que, apesar de serem quase que unanimidade, não conseguem gostar. Arch Enemy é uma dessas bandas, pra mim. Junto com Nevermore, Dream Theater e outras tantas. Já ouvi, sei que são bons musicalmente, mas não me tocam.

  7. André

    Pra mim, o Arch Enemy dos três primeiros era bom, mas, faltava um vocalista melhor. Aí, entrou a Angela, fizeram esse disco e daí pra frente o som ficou muito sacal.

  8. Jairo

    Baita album, mas eu ouvi muito mais o sucessor desse, que até hoje roda no meu rádio, junto aos primeiros, depois parei de acompanhar.

    Na época, eu ouvia direito quando comprava CDs também, ajuda a grudar a música na cabeça.

Comente este texto

Importante: Os comentários são moderados e por isso o seu pode demorar a aparecer. Não é preciso reenviar seu texto.