Thrash com H

CINCO ANO5 DEPOIS…

segunda-feira, 28 maio, 2018 por Txuca

… o q ficou?

7 respostas

  1. märZ

    Tai… não me lembro.

  2. Tiago Rolim

    Só fui ouvir o disco ano passado. É legal, mas descartável. Vc escuta, gosta dele. Mas depois de uma hora nem lembra que ouviu. Ou seja, nada.

  3. Jessiê

    Estou em processo de aceitação com a banda, já que nos 90 não ouvia este tipo de som de poser hahaha. Curto algumas coisas outras não. Não cheguei nesse ainda. Por outro lado tenho ouvido bastante o acústico.
    Aproveito a deixa para perguntar aos entendidos: vale a pena investir no Mudhoney?

  4. Marco Txuca

    Pô, Tiago, como assim?

    Discão. Discaço. Mas acho q entendo teu “descartável”, no sentido de extenso demais e de músicas à primeira vista (ouvida) meio parecidas.

    É disco oposto aos novos tempos, em q ñ se tem “tempo” pra ouvir música. Daqueles em q vc tem q “entrar” nele repetidas vezes, até cair a ficha.

    “Stone” tem um timbre de baixo assassino. Sensacional. E indiretamente põe os stoners no lugar hipster deles. “Hollow” tem um clipe fantástico pra auxiliar na assimilação. A faixa-título é soturna e sombria na medida. “Choke” é foda. “Pretty Done” soa deja-vu, aliás, como alguns outros sons por aqui, tipo “Voices” e “Hung On a Hook”, q remetem a sons anteriores da banda.

    “Phantom Limb” tem um riff hipnótico fodaço. E “Scalpel” acho a anti-balada da vez.

    Disco pra ser assimilado prestando-se atenção aos vocais, soberbos. Disco pra ouvir deprimido e sentir-se bem com a depressão. Musicoterapêutico pra caralho pra mim há uns 15 dias.

    E q fiz um “o q ficou” qdo de 1 ano dele, há 4 anos. Repeti a pauta pra fazermos o contraste. Lembro ter sido bastante (positivamente) comentado. Mesmo lembrando pouco do q eu mesmo comentei.

  5. Marco Txuca

    Mudhoney, Jessiê, acho legal. Mas conheço 2 discos. É a única banda realmente grunge do tal grunge.

    Mas o märZ certa vez os comparar aos Stooges me fez perder o encanto. Pq tem a ver. E acho Stooges superestimado e chato.

  6. märZ

    Cheguei em casa e botei o cd do AIC pra tocar. É um bom album e tem ótimos momentos. Traz a marca registrada da banda, que são os riffs de Cantrell e as vozes dobradas entre o guitarrista e o novo vocal. Mas não soa regurgitado ou como uma caricatura de si mesmo, tem vida própria.

    Resumo: ficou mais um bom disco de uma boa banda, que nunca fez feio.

  7. Marco Txuca

    Quando fizemos o post do som novo, semanas atrás, lembro q alguém comentou q aquela “veia” de hits grunge já se foi.

    O disco ñ é de audição fácil. Ñ tem música rápida ou tão grudenta, como “Them Bones”, “Would?” ou “Man In the Box”. É Cantrell e sua trupe fazendo o q ele quer fazer.

    O q ele sabe fazer. Lá atrás, comentei achar inferior ao “Black Gives Way to Blue”. Hoje, já acho o contrário.

    Pra ouvir coisa mastigada, melhor ir atrás do Pearl Jam ahahah

Comente este texto

Importante: Os comentários são moderados e por isso o seu pode demorar a aparecer. Não é preciso reenviar seu texto.