Thrash com H

UM ANO DEPO1S…

domingo, 28 agosto, 2016 por Txuca

motorheadnilesoilwork

… o q “ficaram”?

4 respostas

  1. doggma

    O “Bad Magic” foi um disco já esperado por todos os que acompanhavam o Motörhead nos últimos anos (vendo notícias, apresentações recentes, etc). Eu diria que foi um epitáfio tão bom quanto poderia mediante tudo. A produção poderia ser sido melhor, mas no geral não chegou a fazer feio como canto do cisne.

    Os outros dois ainda não ouvi.

  2. Marco Txuca

    Meu problema com ele, fora a morbidez, é o mesmo q com o anterior, “Aftershock”: discos feitos sob a égide do Pro Tools. Lemmy ainda tinha o q dizer, mas tava difícil.

    Os comparsas Dee e Campbell honraram a coisa, e conseguiram dar guinadas rumo a sons até diferentes – sobretudo no “Aftershock”, q venho conseguindo destrinhchar melhor – mas era questão de muito pouco tempo até o “motor” parar mesmo.

    Sintomático q o último som do último álbum tenha sido “Sympathy For the Devil”.

    ***

    Do Nile, me ficou um álbum melhor q o anterior, q parecia muito over-produzido. Tem “Call to Destruction”, q som e vídeo denunciam as atrocidades de destruição de patrimônios históricos/sagrados no Oriente Médio.

    E tem “Rape Of This Earth”, peça magnânima de ignorância e chutação de pau da barra e de balde, tudo junto.

    Retomando aquilo q falávamos do Krisiun outro dia, tvz o produtor do Nile (Neil Kermon) fizesse bem ao Trio Ijuíno…

  3. märZ

    O “Bad Magic” foi um disco já esperado por todos os que acompanhavam o Motörhead nos últimos anos (vendo notícias, apresentações recentes, etc). Eu diria que foi um epitáfio tão bom quanto poderia mediante tudo. A produção poderia ser sido melhor, mas no geral não chegou a fazer feio como canto do cisne.

    Os outros dois ainda não ouvi.

  4. FC

    Só ouvi o Soilwork, não curti muito, achei pouco inspirado, meio na pressa.

Comente este texto

Importante: Os comentários são moderados e por isso o seu pode demorar a aparecer. Não é preciso reenviar seu texto.