Thrash com H

UM ANO DEPO1S…

quarta-feira, 27 janeiro, 2016 por Txuca

ND

… o q ficou?

8 respostas

  1. doggma

    Puta discaço que reúne todas as nuances do som do grupo ao ponto de soarem indistinguíveis. Espetacular Napalm.

    Mas já tem um ano esse? Caraio…

  2. Tiago Rolim

    Como é natural, muito nada! O disco é ótimo excelente,possivelmente o melhor disco deste século da banda!!! Maaaaaasssssssssss… quase ninguem escutou e já já sai um disco novo e nem a banda vai mais tocar músicas dele,preferindo tocar as do futuro lançamento. Uma pena,mas é assim que gira o mundo da música hoje em dia. Pq como disse, o disco é excepcional!

  3. bonna

    Concordo inteiramente com o Tiago Rolim.

  4. Colli

    Idem Tiago, mas é tiro certo.

    Mas o que ficou mesmo para mim foi a capa. Capa mais diferente do Napalm, quando vi pensei que era alguma sacanagem da internet, então ficou marcado para mim.

  5. Marco Txuca

    Creio Tiago ter definido geral, com o q concordo e lamento a um só tempo. Deixa eu decompor a coisa nuns pontos:

    1. desde “The Code Is Red… Long Live the Code”, foram 5 discos e, à exceção (pra mim) de “Utilitarian”, todos excelentes.

    Napalm Death criou o estilo e atingiu a perfeição nele, se repetindo e se reinventando ao mesmo tempo. Só farão discos ruins doravante se estiverem muito de pau mole. Impossível escorregarem!

    2. melhor disco deles deste século pra mim é “Time Waits For No Slave”, mas tudo bem. E essa velocidade de giro ñ vejo como só da música, das bandas ou do business. É nossa também.

    Em tempos virtuais atuais, qual foi a última vez em q pegamos pra valer um disco pra ouvir 5 ou 6 dias direto? Será q ñ existem bandas demais pra acompanharmos? Acaba q acompanhamos as preferidas de fato, ou os disco mais clássicos e conhecidos.

    Muita coisa boa tem sido feita e ñ temos tido “tempo” pra apreciar.

    3. somei total de músicas dos caras. Tirando singles esparsos e contando só sons próprios, dá 238. Como é q eles conseguem saber qual é qual???

    De repente, Tiago, tocam só os dos trampos recentes por serem aqueles mais fáceis de lembrar, fora dos obviamente clássicos…

  6. bonna

    Dos últimos 5 anos o meu favorito é justamente o “Utilitarian”.

    O item 2 vc perguntou e já respondeu… as vezes percebo que nem isso estou dando conta, na gula de descobrir novos lançamentos ou me atualizar de discos de anos (décadas) que não os “estudei” quando devia.

  7. André

    O negócio é se ater as bandas que realmente gostamos. As minhas bandas favoritas chegaram a mim de forma espontânea. Não precisei ficar garimpando. Não que eu seja fechado a novidades, mas eu não vou ficar ouvindo uma caralhada de banda que no final não vai fazer diferença na minha vida.

    Sobre o Napalm, os caras atingiram um nível que poucos(ou ninguém)conseguiram. O último álbum que eu ouvi foi o Smear Campaign e é foda.

  8. André

    Complementando: o Napalm Death sofre do efeito Motorhead. De lançar álbuns em curto espaço de tempo e que são ouvidos(quando ouvidos)de forma genérica. Daí aquelas resenhas preguiçosas ddo tipo “mantendo a tradição” ou “Napalm é Napalm”, etc.

Comente este texto

Importante: Os comentários são moderados e por isso o seu pode demorar a aparecer. Não é preciso reenviar seu texto.