Thrash com H

SABBATH RACIONAL (QUE BELEZA)

terça-feira, 19 janeiro, 2016 por Txuca

Ñ ouvi aquela banda tcheca q gravou Sabbath em latim com orquestra de câmara tempos atrás. Prestou?

Os “Nativity In Black”, 1 e 2, têm mais acertos q desacertos. Minha opinião. Hed(Pe) e Type O Negative pra mim foram vergonha alheia, mas e daí?

A impressão q dá é q, a ñ ser q o Sambô (acabou aquela bosta?) grave Black Sabbath, tudo combina com Sabbath. Vide Brown Sabbath:

O q me impressiona é a PERTINÊNCIA nessas versões soul. A acima, pra mim, a melhor dentre as q vi. A abaixo, um tanto óbvia, mas q q tem?

E é em horas assim q lembro duma declaração famosa de Geezer Butler (acho q colhida do whiplash) q dizia q Tony Iommi roubava vários riffs de discos de Frank Sinatra. Pq antes do Sabbath, óbvio, ñ existia heavy metal.

Eu gosto de brincar q antes do Black Sabbath ñ existia MÚSICA.

16 respostas

  1. bonna

    E o Max que inaugurou a Vergonha Alheia Comics?

    http://www.soulfly.com/Comics/Episode1

  2. André

    Essas versões soam pertinentes por que é de onde o rock veio. Diferente do que o sambo faz.

    Há algum baixei um “tributo” bossa nova aos Ramones. Uma bosta.

  3. bonna

    Tô viciando neste Brown Sabbath! NIB também ficou bem legal.

    Este bossa nova do Ramones é uma porcaria. Idem para o do Depeche Mode.

  4. Colli

    “Tudo combina com Sabbath”: Para mim é mais uma prova da genialidade do Iommi. Mesmo roubando riffs. :)

    Brown Sabbath é bom demais!!

  5. märZ

    Eu vi li os quadrinhos. Vergonha alheia MESMO. Sarcinelli style.

    Nem pra escrever em inglês correto após 20 anos morando nos EUA o cara presta.

  6. Marco Txuca

    Quadrinhos linkados acima, li um tantinho. Ñ me agradou. Mas impressiona ver a assessoria (Gloria Sharon Osbourne Cavalera) vendo oportunidades multimídia pro cara. É como se ele estivesse assumindo um personagem.

    Mas o foco é o Sabbão. “Versões soam pertinentes pq é de onde o rock veio” o André foi categórico. Acho isso também.

    Agora bossa nova de Ramones ou de Depeche Mode soa coisa de hipster querendo fazer graça. Ñ há genealogia, tampouco pertinência. Coisa indicada pra quem usa camiseta comprada na Renner e nem sabe se tratar de uma banda.

  7. märZ

    Acho bonitinho falar que não existia rock antes do Sabá, mas é claro que não é factual e já havia muita gente boa antes.

  8. Marco Txuca

    Sim. Mas seria muito foda se fosse desse outro jeito, hum?

  9. Danny

    Que divertido!!

  10. Tiago Rolim

    Esse Brown Sabbath é ótimo até no nome! Isso é perfeito. Tenho uma vontade de ver o Easy Star All Star, um coletivo Reggae/Dub , que tem como mote coverizar discos clássicos pegar um Vol. 4 ou um Sabotage e butar p fuder no dub em cima do Sabbath.

    O disco com versões de música sacra cantado em Latin é bom mais é ruim saca? Algumas versões ficaram ótimas outras irreconhecíveis e algumas chatas. Mas no fundo é tudo muito parecido e fica chato ouvir tudo de uma vez só.

    E acho que sou o único que curte a versão do Hed (pe) heheheheheeh. Na minha opinião vergonha alheia fez o Slayer com aquela versão preguiçosa e sem vontade lá. Assim como o Megadeth na Never Say Die

  11. Marco Txuca

    Megadeth endosso. Deveriam ter ficado só na “Paranoid”.

  12. bonna

    Endosso e assino a petição pelo Easy Star All Star. Depois que ouvi o DUB SIDE, fiquei anos sem ouvir o DARK SIDE. Sem heresia, é que a versão dub trouxe um frescor ao clássico. O disco de versões do Radiohead – RADIODREAD – também ficou excelente!

  13. Marco Txuca

    Essa do Radiohead, “Radiodread”, tenho. E me decepcionei. Pois minha expectativa era por uma coisa mais alucinada q o “Ok Computer” original… e esta ñ veio.

  14. Tiago Rolim

    Eles tem 4 discos. O pior é que coverizar o Stg. Peppers. O do Trhiller é animal tb.

    Eles.tem que ir pro rock mais pesado e pro Metal! Já imaginaram o Roots dub? Ou o Houses Of The Holy? Ou o Machine Head!!!! Carai! Ia ficar massa.

  15. märZ

    Isso sempre me acontece: achei o album do Brownout coverizando Sabbá perdido nos confins do meu HD externo, baixado e nunca ouvido desde 2014.

    Ouvindo agora: bem legal e me lembrou o show de uma banda de jazz com vários trombones que vi em Rio das Ostras em 2008, quando fecharam com “War Pigs” em ritmo heavy jazz.

  16. bonna

    märz, a banda (americana) que tocou em Rio das Ostras não é minha, mas se chama BONERAMA. Muito boa mesmo!

Comente este texto

Importante: Os comentários são moderados e por isso o seu pode demorar a aparecer. Não é preciso reenviar seu texto.