Thrash com H

25 ANOS DEPOIS…

quinta-feira, 18 dezembro, 2014 por Txuca

PFYL

… o q ficou?

4 respostas

  1. Colli

    Esse talvez, seja o EP que colocou o Korzus no circuito como um banda promissora. Lembrando que os caras gostavam de lançar EP no início, intercalados a álbuns completos.

    Nessa época eu achava que eles se dariam muito bem, até mais que o Sepultura, mesmo tendo lançado o Beneath The Remains no mesmo ano pela RoadRunner.

    Dito isso tudo. Só lembro que o EP é muito bom. :)

  2. doggma

    Historicamente, foi mais o marco zero do Korzus na tentativa de acompanhar o Sepultura, não? Olhando hoje, soa como um passaporte velho com o visto negado, rs

    No campo musical, ficou um thrash competente com gravação bem razoável, ainda que um pouco abafada. “Brain Wash” e “Born to Kill” são muito boas. Os vocais do Pompeu é que foram equivocados, meio que emulando o Belladonna no Anthrax. Não ficou tão desastroso quanto o vocal belladônnico do André Rod no “Limits of Insanity”, do Attomica, mas ainda assim, equivocado.

  3. Marco Txuca

    Ou seja, ñ é de hoje q os caras vivem “tentando”, hum?

    Tivessem sido uma banda coerente desde então, estariam consolidados no país de verdade, ao invés de atualmente tentarem viver do status de “lenda”, o q nunca atingiram, jamais atingirão.

    O baterista aqui era o Roberto Silecci? Monstro.

  4. doggma

    Acho que é o Sileci mesmo. Um bateraço, bem lembrado. Estranho que no encarte só consta o finado Zema. É um CD compilando esse disco com o anterior, “Sonho Maníaco”, no qual ele tocou. Vai entender.

Comente este texto

Importante: Os comentários são moderados e por isso o seu pode demorar a aparecer. Não é preciso reenviar seu texto.