Thrash com H

COMENTANDO DISCOGRAFIA

sexta-feira, 20 março, 2020 por Txuca

“gritemos por aqui, da quarentena!”

Iron Maiden

“Iron Maiden” – NWOBHM
“Killers” – só eu ñ gosto
“Maiden Japan” – tosqueira divertida
“The Number Of the Beast” – temos um vocalista!

“Piece Of Mind” – temos um baterista!
“Powerslave” – temos um formato
“Live After Death” – inoxidável
“Somewhere In Time” – prazer, Adrian Smith!
“Seventh Son Of A Seventh Son” – conceitual hemiplégico

“No Prayer For the Dying” – só eu gosto
“Fear Of the Dark” – disk Mtv
“A Real Live One” – bacaninha
“A Real Dead One” – bacanaço

“Live At Donnington 1992” – só mais um

“The X-Factor” – até lembra Maiden
“Virtual XI” – fundo do poço

“Brave New World” – volta do Maiden, ñ do Bruce
“Dance Of Death” – fogo baixo
“A Matter Of Life And Death” – músicas imensas ñ é igual ‘progressivo’
“The Final Frontier”Maiden prog!

“The Book Of Souls” – “Empire Of the Clouds” + 9

Ñ incluí os ao vivo da volta: “Rock in Rio”, “Death On the Road”, “Flight 666” e “En Vivo!”. Ou o “Maiden England”, antigo e recém-relançado. Pq são dvd’s (alguns). Assim como tb ñ singles, coletâneas e documentários. Quem quiser fazê-lo, ñ vou impedir.

OVERLOAD BEER FEST 2020

quinta-feira, 19 março, 2020 por Txuca

Cerberus Attack + Manger Cadavre? + Desalmado + Surra + Periferia S.A. + D.R.I.

15.03.20 – Carioca Club, São Paulo

O show mais complicado de ir até hoje.

Por causa dessa porra de coronavírus, claro. Fiquei até pouco antes de sair buscando atualizações sobre cancelamento. Nada. Daí arrisquei. Meio torcendo pra dar com a cara na porta.

Tb foi difícil curtir e me manter alerta. Tanto q lá pelas tantas (acho q antes do D.R.I.) comecei a me tocar do bando de gente suada e sem camisa saindo das rodas. Ñ estava difícil evitar contato próximo – o Carioca ñ lotou – mas era um show de 6 bandas (nenhuma cancelou), ñ uma exposição de Mondrian na Pinacoteca do Estado.

Enfim.

***

Vou pelo periférico antes: o festival já é uma realidade. Até cerveja (artesanal?) com o nome do evento já tinha à venda. Assim como merchan: camisetas, bonés e camisetas com a edição do ano passado. Tudo se deu na maior tranqüilidade, começando na hora (teve banda q ñ usou todo o tempo destinado) e terminando pouco antes das 23h.

Todos os elogios ao preço da balada: 60 reais. Toda uma crítica aos cheesburgers gourmet vendidos ali dentro: 25, sem refri nem fritas. Fiquei numa Coca, numa água e numa coxinha vegana de recheio rosa de 8 contos, nesse sentido. E comprei o “Tapping the Vein” do Sodom a 35, no merchan.

*

Perdi o Cerberus Attack, de quem tinha fita cassete vendendo no merchan. Pq ñ conseguia achar arroz (quilo de alimento condicionado ao ingresso promocional) no mercadinho próximo. A metaleirada comprou todo o arroz ali, e tive q forçar entrada com 1kg de sal grosso. Mas ouvi falar q fazem thrash. Aparentemente thrash meio zoeiro, tipo Tankard. Alguém aqui recomenda?

*

Manger Cadavre?
Desses, já tinha ouvido falar (bem) e cheguei no meio. Chama muito atenção a vocalista, desenvolta e linda. Ñ é uma banda q usa da figura dela pra chamar atenção, frise-se. E q depois ficou o tempo todo no merchan trocando idéia com as esposas/namoradas do povo do Surra e molecada q já tenho percebido repetidas nos eventos.

Ñ comprei nada deles; no fim, o guitarrista soltou q era o último show dele com a banda, e fez alguma piada meio homofóbica (ou homoerótica) q ñ captei. Baixista do Surra tocou uns 3 sons do set tb. Mas é um grindcore quase thrash bem feito, bem tocadinho (zero bagaceiro) e com um nome diferente. Tem apelo. Quero ver se vejo melhor numa próxima vez.

Ñ tocaram cover de Slayer nem falaram em “metal nacional”. É outra geração. Ufa.

*

Desalmado
Vieram depois. Gente mais velha, ainda ñ tiozões (aquele pessoal q já foi cabeludo e hoje raspa a cabeça), e competentes. Veia quase thrash, meio hardcore NY (aquele tipo de som q demora 1 ano pra entrar o vocal, tipo Oitão, e q ñ curto). Apesar do nome, mandam em inglês. E agradaram.

Me lembrou, pelo formato, o Cemitério, q vi outro dia no Kool Metal Fest. Pelo som melhor formatado, pela proposta mais definida etc.

Foi a banda mais contundente na crítica ao Bostonaro, preferindo criticar os bolsominions, os metaleiros reaças, q “tem q dar na cara desse pessoal” (sic). Concordei. Mas ainda estava desconcentrado na coisa toda. Passou sem me incomodar nem me cativar. Escolhi ñ comprar cd tb.

*

Surra
veio na seqüência, e tudo o q tenho dito sobre os shows recentes (as últimas duas a três resenhas aqui), podem fazer o ctrl c + ctrl v. Com a seguinte diferença: estão mais sérios e mais zoeiros ao vivo.

O baixista se encarrega de falar merda, numa boa, às vezes dedicando sons à “nação regueira santista” (e teve um som ali com pegada reggae) e pedindo, quase ao fim, q nós pegássemos caneta e cadernos pra “aula” q o Periferia S.A. daria na seqüência. Reverência sincera, sem bajulação brodística.

Pessoal das outras bandas (Manger Cadavre? e Desalmado) ficava na beira do palco, cantando junto. Vez ou outra se atreviam a roubar os microfones e cantar no lugar dos caras.

Dá pra perceber q o Surra ocupa um lugar nodal nessa leva nova de bandas: tem uma empresária deles (já tinha visto em outros shows deles) q circulou o tempo todo no Carioca, ora ajudando a banda, ora verificando merchan, ora conferindo as cervejas. E tb trabalhando pelo evento. Ñ sei o nome, mas uma mulher q trabalha duro ali.

Além disso, me parece q a ex-baterista do Eskröta (ali presente) é namorada ou esposa do vocalista. Lembrando q o vocalista, Leo, produziu “Eticamente Questionável”, o primeiro ep do Eskröta. E q o baixista tocara pouco antes no Manger Cadavre?. Ramificações, capilaridades, sintonia, gente ralando. Ao invés de ficar erguendo auto-tributos, virando youtubber fascista/isentão ou reclamando de falta de apoio…

Puta show, puta clima (esqueci o vírus), rodas insanas.

*

Periferia S.A.
Jão e sua horda entraram mais focados do q quando os vi em dezembro. Estava menos (ou nada) briaco. Jabá é um zoeiro q chegou a esquecer música no meio (acho q era “F.M.I.”), lembrou no fim. Boka parou uma música antes da hora (ñ lembro qual), mas ficou legal, sem stress.

Os sujeitos têm estrada, ñ se abalam com qualquer coisa, levam de boa. E contam com o devido respeito de todos. Um R.D.P. roots (Jão uma hora falou algo como “vamo fazê um cover de nós mesmos”), mas q ñ atrapalha o R.D.P. oficial. Q até andou voltando, mas sei lá.

Juninho estava pela platéia, de boa.

Tocaram basicamente os mesmos sons q ouvi em dezembro, alternando os próprios (“Segunda-Feira”, “Devemos Protestar”, “Eles”, “Destruição”, “Facit Indgnation Versum”) com lados b do Ratos (“Periferia”, no fim, “Agressão/Repressão”, “Políticos em Nome do Povo”, “Sentir Ódio e Nada Mais”, “F.M.I.”, “Novo Vietnã”) e outros tantos.

Foi uma das bandas q ñ usou todo o tempo disponível, salvo engano. Ñ precisou. Achei bem sacado Jão e Jabá revezarem uns vocais. Entraram com o jogo ganho e jogaram final de campeonato. Ñ tem partida amistosa esse time. Jão é foda.

*

D.R.I.
Os estadunidenses fecharam o evento com classe. Integrantes originais apenas o vocalista Kurt Brecht e o guitarrista Spike Cassidy. Baixista ali parecia o Tony Campos (ñ consegui confirmar); baterista era das antigas tb, mas ñ atentei ao nome.

Era o show mais esperado, e ñ pq a galera tratou com pouco caso (como “bandas de abertura”) os shows anteriores; aliás, foi uma escalação pra lá de didática. Bandas atuais, passando por bandas veteranas até culminar numa das bandas q criou o grindcore, ora pois.

Minha conclusão é a de ñ conhecer o suficiente (preciso ajeitar isso), o q nunca tinha me ocorrido. Mas reconheci sons como “Acid Rain”, “Violent Pacification” e “You Say, I’m Scum”. Brecht ñ é assim comunicativo: por vezes entre os sons ficavam aqueles silêncios, com os caras ajeitando os instrumentos e tudo. Enfim.

Spike vez ou outra ia ao microfone e se comunicava melhor com o público. Fizeram todo um repertório das várias fases, cometeram o bis e mostraram-se à altura do evento.

Nada de banda bolorenta do passado, cover oficial ruim de si própria. Convenceram. Provavelmente faltou um ou outro som, mas ñ tocar tudo tb faz parte da memória futura, hum?

*

Chegou a hora de ir embora, esperei quase todo mundo sair primeiro e daí voltei pra casa. Moído. Pq com 4.5 festival com 6 bandas dói partes do ciático q eu nem desconfiava existirem.

E foi dureza voltar no metrô em pé, sem poder encostar em nada. Estou na expectativa de escapar ileso. Sei lá.

20 ANOS DEPOIS…

quarta-feira, 18 março, 2020 por Txuca

… o q ficou?

APOCALIPSHIT PLAYLIST

terça-feira, 17 março, 2020 por Txuca

Quem de nós mais antigos por aqui já ñ leram um sem-número de resenhas de álbuns ou sons q terminavam com a fatídica frase: “o disco perfeito pra ser ouvir no Apocalipse/quando o mundo acabar/no fim do mundo”?

Até onde me consta, a porra do Apocalipse tá aí. Banda de ultra death metal: Coronavirus. Bora fazermos umas playlists?

Dá pra fazer montes, me ocorrem algumas pra listar agora. Meio q um top 3:

Outros sons q me ocorrem:

“Countdown to Extinction”, Megadeth
“Infected” e/ou “The End Complete”, Obituary
“Pandemic”, Accept
“Impossible to Cure”, Kreator
“Plague Rages”, Napalm Death
“Global Warning”, Voivod
“The Perfect Virus”, Annihilator
“The Evil That Men Do” e/ou “When the Wild Wind Blows”, Iron Maiden

Joy Division, pra ser mais alternativo, ganhou um meme na internet q é uma playist em si. Em loop: “Incubation”, “Transmission”, “Colony”, “Disorder” e “Isolation”.

Ainda prum rock alternativo, R.E.M.: “It’s the End Of the World As We Know It (And I Feel Fine)” e “I’m Gonna DJ” (“if death is pretty final/I’m collecting vinyl/I’m gonna DJ at the end of the world!“). Ou Bad Religion (“Infected”). E por aí vai.

Sugestões?

BB

segunda-feira, 16 março, 2020 por Txuca

RANQUEANDO MEUS DISCOS DO BEASTIE BOYS:

  1. “Check Your Head”
  2. “Licensed to Ill”
  3. “Ill Communication”
  4. “Paul’s Boutique”
  5. “Hello Nasty”

Tem aquele lá dos prédios na capa, q parece capa de um do R.E.M., mas ñ tenho. E tenho um ep/single, de “Root Down”, mas deixa quieto.

EMBATE 2

sábado, 14 março, 2020 por Txuca

versus

TRUTH BE TOLD

sexta-feira, 13 março, 2020 por Txuca

O Amorphis foi a primeira banda a ser adicionada aos Metal Archieves, dentre as atuais totais – contadas hoje – 134.197 bandas.

Como eu sei? Consta na página do Amorphis ali.

https://www.metal-archives.com/bands/amorphis/1

30 ANOS DEPOIS…

quinta-feira, 12 março, 2020 por Txuca

… o q ficou?

ENCARTE: DEEP PURPLE

quarta-feira, 11 março, 2020 por Txuca

Pitadas históricas conhecidas nos agradecimentos em “Machine Head” (1972):

To thank, by name, everyone involved would be tedious but one man must be named – Claude Nobs, without whom, etc. To him, his album is gratefully dedicated. Jeremy Bear, Ian Stewart, and Nick came with the Rolling Stones mobile unit, and we’re pleased that they did. The Townspeople of Montreaux, after their initial shock, helped us a lot, and we thank them too“.

WORKS OF CARNAGE COM COCA + COOKIE

terça-feira, 10 março, 2020 por Txuca

Algo q postei no Facebook domingo e contei a amigos no Whatsapp:

Almoço no Subway ao som de Krisiun. “Blood Of Lions” embalou meu steak churrasco com creamcheese + coca + cookie.

Começou quando o artista do sanduíche atendente perguntou se era um “conjunto de rock” o q estava em minha camiseta. Capa do “Works Of Carnage”. Disse q sim (ué), e enquanto comia sujeito tirou o pagode ambiente e tacou um Spotify pra me embalar.

O típico caso em q o couvert artístico foi melhor q a comida ahah

E a prova cabal do “desespero”: comércio desesperado pra vender, agradar…

« Previous Entries Next Entries »