Thrash com H

OVERLOAD BEER FEST 2020

quinta-feira, 19 março, 2020 por Txuca

Cerberus Attack + Manger Cadavre? + Desalmado + Surra + Periferia S.A. + D.R.I.

15.03.20 – Carioca Club, São Paulo

O show mais complicado de ir até hoje.

Por causa dessa porra de coronavírus, claro. Fiquei até pouco antes de sair buscando atualizações sobre cancelamento. Nada. Daí arrisquei. Meio torcendo pra dar com a cara na porta.

Tb foi difícil curtir e me manter alerta. Tanto q lá pelas tantas (acho q antes do D.R.I.) comecei a me tocar do bando de gente suada e sem camisa saindo das rodas. Ñ estava difícil evitar contato próximo – o Carioca ñ lotou – mas era um show de 6 bandas (nenhuma cancelou), ñ uma exposição de Mondrian na Pinacoteca do Estado.

Enfim.

***

Vou pelo periférico antes: o festival já é uma realidade. Até cerveja (artesanal?) com o nome do evento já tinha à venda. Assim como merchan: camisetas, bonés e camisetas com a edição do ano passado. Tudo se deu na maior tranqüilidade, começando na hora (teve banda q ñ usou todo o tempo destinado) e terminando pouco antes das 23h.

Todos os elogios ao preço da balada: 60 reais. Toda uma crítica aos cheesburgers gourmet vendidos ali dentro: 25, sem refri nem fritas. Fiquei numa Coca, numa água e numa coxinha vegana de recheio rosa de 8 contos, nesse sentido. E comprei o “Tapping the Vein” do Sodom a 35, no merchan.

*

Perdi o Cerberus Attack, de quem tinha fita cassete vendendo no merchan. Pq ñ conseguia achar arroz (quilo de alimento condicionado ao ingresso promocional) no mercadinho próximo. A metaleirada comprou todo o arroz ali, e tive q forçar entrada com 1kg de sal grosso. Mas ouvi falar q fazem thrash. Aparentemente thrash meio zoeiro, tipo Tankard. Alguém aqui recomenda?

*

Manger Cadavre?
Desses, já tinha ouvido falar (bem) e cheguei no meio. Chama muito atenção a vocalista, desenvolta e linda. Ñ é uma banda q usa da figura dela pra chamar atenção, frise-se. E q depois ficou o tempo todo no merchan trocando idéia com as esposas/namoradas do povo do Surra e molecada q já tenho percebido repetidas nos eventos.

Ñ comprei nada deles; no fim, o guitarrista soltou q era o último show dele com a banda, e fez alguma piada meio homofóbica (ou homoerótica) q ñ captei. Baixista do Surra tocou uns 3 sons do set tb. Mas é um grindcore quase thrash bem feito, bem tocadinho (zero bagaceiro) e com um nome diferente. Tem apelo. Quero ver se vejo melhor numa próxima vez.

Ñ tocaram cover de Slayer nem falaram em “metal nacional”. É outra geração. Ufa.

*

Desalmado
Vieram depois. Gente mais velha, ainda ñ tiozões (aquele pessoal q já foi cabeludo e hoje raspa a cabeça), e competentes. Veia quase thrash, meio hardcore NY (aquele tipo de som q demora 1 ano pra entrar o vocal, tipo Oitão, e q ñ curto). Apesar do nome, mandam em inglês. E agradaram.

Me lembrou, pelo formato, o Cemitério, q vi outro dia no Kool Metal Fest. Pelo som melhor formatado, pela proposta mais definida etc.

Foi a banda mais contundente na crítica ao Bostonaro, preferindo criticar os bolsominions, os metaleiros reaças, q “tem q dar na cara desse pessoal” (sic). Concordei. Mas ainda estava desconcentrado na coisa toda. Passou sem me incomodar nem me cativar. Escolhi ñ comprar cd tb.

*

Surra
veio na seqüência, e tudo o q tenho dito sobre os shows recentes (as últimas duas a três resenhas aqui), podem fazer o ctrl c + ctrl v. Com a seguinte diferença: estão mais sérios e mais zoeiros ao vivo.

O baixista se encarrega de falar merda, numa boa, às vezes dedicando sons à “nação regueira santista” (e teve um som ali com pegada reggae) e pedindo, quase ao fim, q nós pegássemos caneta e cadernos pra “aula” q o Periferia S.A. daria na seqüência. Reverência sincera, sem bajulação brodística.

Pessoal das outras bandas (Manger Cadavre? e Desalmado) ficava na beira do palco, cantando junto. Vez ou outra se atreviam a roubar os microfones e cantar no lugar dos caras.

Dá pra perceber q o Surra ocupa um lugar nodal nessa leva nova de bandas: tem uma empresária deles (já tinha visto em outros shows deles) q circulou o tempo todo no Carioca, ora ajudando a banda, ora verificando merchan, ora conferindo as cervejas. E tb trabalhando pelo evento. Ñ sei o nome, mas uma mulher q trabalha duro ali.

Além disso, me parece q a ex-baterista do Eskröta (ali presente) é namorada ou esposa do vocalista. Lembrando q o vocalista, Leo, produziu “Eticamente Questionável”, o primeiro ep do Eskröta. E q o baixista tocara pouco antes no Manger Cadavre?. Ramificações, capilaridades, sintonia, gente ralando. Ao invés de ficar erguendo auto-tributos, virando youtubber fascista/isentão ou reclamando de falta de apoio…

Puta show, puta clima (esqueci o vírus), rodas insanas.

*

Periferia S.A.
Jão e sua horda entraram mais focados do q quando os vi em dezembro. Estava menos (ou nada) briaco. Jabá é um zoeiro q chegou a esquecer música no meio (acho q era “F.M.I.”), lembrou no fim. Boka parou uma música antes da hora (ñ lembro qual), mas ficou legal, sem stress.

Os sujeitos têm estrada, ñ se abalam com qualquer coisa, levam de boa. E contam com o devido respeito de todos. Um R.D.P. roots (Jão uma hora falou algo como “vamo fazê um cover de nós mesmos”), mas q ñ atrapalha o R.D.P. oficial. Q até andou voltando, mas sei lá.

Juninho estava pela platéia, de boa.

Tocaram basicamente os mesmos sons q ouvi em dezembro, alternando os próprios (“Segunda-Feira”, “Devemos Protestar”, “Eles”, “Destruição”, “Facit Indgnation Versum”) com lados b do Ratos (“Periferia”, no fim, “Agressão/Repressão”, “Políticos em Nome do Povo”, “Sentir Ódio e Nada Mais”, “F.M.I.”, “Novo Vietnã”) e outros tantos.

Foi uma das bandas q ñ usou todo o tempo disponível, salvo engano. Ñ precisou. Achei bem sacado Jão e Jabá revezarem uns vocais. Entraram com o jogo ganho e jogaram final de campeonato. Ñ tem partida amistosa esse time. Jão é foda.

*

D.R.I.
Os estadunidenses fecharam o evento com classe. Integrantes originais apenas o vocalista Kurt Brecht e o guitarrista Spike Cassidy. Baixista ali parecia o Tony Campos (ñ consegui confirmar); baterista era das antigas tb, mas ñ atentei ao nome.

Era o show mais esperado, e ñ pq a galera tratou com pouco caso (como “bandas de abertura”) os shows anteriores; aliás, foi uma escalação pra lá de didática. Bandas atuais, passando por bandas veteranas até culminar numa das bandas q criou o grindcore, ora pois.

Minha conclusão é a de ñ conhecer o suficiente (preciso ajeitar isso), o q nunca tinha me ocorrido. Mas reconheci sons como “Acid Rain”, “Violent Pacification” e “You Say, I’m Scum”. Brecht ñ é assim comunicativo: por vezes entre os sons ficavam aqueles silêncios, com os caras ajeitando os instrumentos e tudo. Enfim.

Spike vez ou outra ia ao microfone e se comunicava melhor com o público. Fizeram todo um repertório das várias fases, cometeram o bis e mostraram-se à altura do evento.

Nada de banda bolorenta do passado, cover oficial ruim de si própria. Convenceram. Provavelmente faltou um ou outro som, mas ñ tocar tudo tb faz parte da memória futura, hum?

*

Chegou a hora de ir embora, esperei quase todo mundo sair primeiro e daí voltei pra casa. Moído. Pq com 4.5 festival com 6 bandas dói partes do ciático q eu nem desconfiava existirem.

E foi dureza voltar no metrô em pé, sem poder encostar em nada. Estou na expectativa de escapar ileso. Sei lá.

7 respostas

  1. Rodrigo

    Belo line up, esses festivais são muito bons. Se o coronga deixar, irei ao Setembro Negro de novo esse ano (inclusive já comprei ingresso pros três dias).

    E do Periferia S/A fica o agradecimento por eu ter ganhado deste site o CD da horda anos atrás numa daquelas promoções que o senhor fazia.

  2. Gilza

    Caramba, muito provavelmente a sua resenha é a de todo mundo que esteve presente no festival. E fica a pergunta: será que rolou uma imaturidade de nossa parte por ter colado em show que rola muito contato físico no mosh pit em plena pandemia? Também estou na expectativa de escapar ilesa.
    Por todos os problemas, acho que esse festival tem chance de entrar pra história, só não sei se pro bem ou pro mal.

  3. Marco Txuca

    Pode ter sido o ÚLTIMO pra algumas pessoas, soando catastrofista. De minha parte, estou me monitorando, Gilza: nenhum sintoma ainda. Depois de 10 dias q tá liberado, é isso?

    Morar sozinho tb tá ajudando. Agora, se vc esteve ali no mesmo lugar, viu q a chance de contágio era, sim, considerável. Aposto na imaturidade. A 60 contos, dava pra ficar em casa e ver alguma coisa no YouTube. Mas enfim.

    Mas tirando tudo isso, vc concorda com a resenha? O q vc opina sobre os shows e o evento?

  4. FC

    Cuidem-se.

  5. Marco Txuca

    Pó dexá. Estoque de paracetamol aqui é maior q o de papel higiênico ahah

  6. Gilza

    Aee Marco, desculpa a demora pra responder. A correria pros preparativos materiais e psicológicos pra quarentena consumiu um bocado do meu tempo e energia.
    Com relação ao contágio, sim, era grande a chance. Aparentemente, ainda não houve nenhum aviso de pessoa doente, o que é ótimo pra todo mundo. Me policiei em boa parte do tempo, mas toda a precaução foi por água abaixo já no Periferia S.A. e virou desastre no D.R.I. Só de imaginar alguém doente naquele circle pit insano já causa palpitação hahaha.
    Com relação as bandas, Cerberus Atack eu não vi. Manger Cadavre?, até por uma questão de identificação com a vocalista, achei que matou. Desalmado também foi bacana, talvez não tão surpreendente porque já tinha visto outras vezes, mas curto muito o posicionamento político e a correria feita pelos rapazes (isso vale pra todas as bandas nacionais do fest). Surra também foi foda, tão foda que gerou a primeira treta com a segurança, que logo pediu arrego prevendo uma possível quebradeira por parte do pessoal mais afoito. E como disse alguém do Surra, caderno e caneta pra anotar a aula do Periferia, que achei matadora a apresentação e até questionei se o D.R.I. teria tranquilidade pra se apresentar na sequência. Felizmente teve e a banda também fez uma apresentação foda!
    O interessante desse fest é que todas as bandas se doaram muito, acredito que motivadas pelo perigo e em reconhecimento a todo mundo que colou e também não deixaram de frisar de qual lado estamos quando o assunto é política.
    Acho que se não fosse o covid-19, muito mais pessoas teriam comparecido, talvez até lotando o local. Muito material bacana e com preços acessíveis, horários respeitados, tudo funcionou bem. Só acho que a organização deveria ter conversado com a segurança pra evitar atritos desnecessários que poderiam ter resultado em violência.
    No mais, que a saúde continue presente na vida de quem estava lá e de quem não estava.

  7. Marco Txuca

    Sem desculpas, sem stress e sem mais sustos eheh

    Bem lembrada a treta: o Surra parou o show e deu um esporro em quem estava fazendo treta. Só ñ sabia q era com segurança envolvido. Achei do caralho. Fundamental. Só tinha visto o Sepultura fazendo isso, no Rock in Rio 2001.

    Tem a ver com o posicionamento das bandas, cada vez menos isentonas, cada vez menos “metal nacional”. Ao mesmo tempo, os caras muito zueiros. Hora q começaram “Surra Surra Surra”, o baixista vai ao microfone e pergunta:

    “Supla”? Ahahah

    Fiquei interessado nesse Manger Cadavre? Vejamos umas próximas. Ñ tem a banda no Metal Archieves, então é correr atrás.

    Quanto a pessoas contaminadas, te peço q se vc souber de alguma q lá esteve, me avisar. Acho q estou fora de risco, mas nunca se sabe…

Comente este texto

Importante: Os comentários são moderados e por isso o seu pode demorar a aparecer. Não é preciso reenviar seu texto.