Thrash com H

COMENTANDO DISCOGRAFIA

sexta-feira, 20 março, 2020 por Txuca

“gritemos por aqui, da quarentena!”

Iron Maiden

“Iron Maiden” – NWOBHM
“Killers” – só eu ñ gosto
“Maiden Japan” – tosqueira divertida
“The Number Of the Beast” – temos um vocalista!

“Piece Of Mind” – temos um baterista!
“Powerslave” – temos um formato
“Live After Death” – inoxidável
“Somewhere In Time” – prazer, Adrian Smith!
“Seventh Son Of A Seventh Son” – conceitual hemiplégico

“No Prayer For the Dying” – só eu gosto
“Fear Of the Dark” – disk Mtv
“A Real Live One” – bacaninha
“A Real Dead One” – bacanaço

“Live At Donnington 1992” – só mais um

“The X-Factor” – até lembra Maiden
“Virtual XI” – fundo do poço

“Brave New World” – volta do Maiden, ñ do Bruce
“Dance Of Death” – fogo baixo
“A Matter Of Life And Death” – músicas imensas ñ é igual ‘progressivo’
“The Final Frontier”Maiden prog!

“The Book Of Souls” – “Empire Of the Clouds” + 9

Ñ incluí os ao vivo da volta: “Rock in Rio”, “Death On the Road”, “Flight 666” e “En Vivo!”. Ou o “Maiden England”, antigo e recém-relançado. Pq são dvd’s (alguns). Assim como tb ñ singles, coletâneas e documentários. Quem quiser fazê-lo, ñ vou impedir.

3 respostas

  1. FC

    “Iron Maiden” – Raça, vontade e determinação

    “Killers” – Um pouco do que sobrou. Transição.

    “Maiden Japan” – Legal, mas secundário.

    “The Number Of the Beast” – fazendo história sem saber que estava fazendo história.

    “Piece Of Mind” – Prog Capítulo 1

    “Powerslave” – o Messi do Iron Maiden. Não acho melhor que o outro, mas não fico bravo com quem acha.

    “Live After Death” – Primoroso

    “Somewhere In Time” – Acústico é o cacete, Bruce. O lance é sintetizador.

    “Seventh Son Of A Seventh Son” – Prog Capítulo 2 – maior e melhor

    “No Prayer For the Dying” – tosco na gravação, tosco na execução. existe diferença entre “voltar às raízes” e “falta de inspiração”

    “Fear Of the Dark” – passa de ano, com uns 10 aqui e acolá.

    “A Real Live One” – bacanaço

    “A Real Dead One” – estragaram um repertório matador com um disco mal tocado, mal cantado e nas coxas.

    “Live At Donnington 1992” – clima de fim de festa.

    “The X-Factor” – Prog 3 – tristeza nas composições, tristeza no clima, tristeza nas letras, tristeza de cantor.

    “Virtual XI” – calço de mesa

    “Brave New World” – Prog 4 – “Bruce, nossas contas estão minguando, mas o Iron Maiden agora é assim. Sua carreira-solo é outra coisa”.

    “Dance Of Death” – passa de ano, com uns 8,5 aqui e acolá.

    “A Matter Of Life And Death” – esquecível.

    “The Final Frontier” – esquecível

    “The Book Of Souls” – passa de ano, com uns 8 aqui e acolá.

  2. Jessiê

    “Iron Maiden” – punk metal

    “Killers” – moldando a coisa

    “Maiden Japan” – punk metal ao vivo

    “The Number Of the Beast” – Outro patamar

    “Piece Of Mind” – Influenciando toda uma geração

    “Powerslave” – Auge

    “Live After Death” – Auge ao vivo

    “Somewhere In Time” – meio chué.

    “Seventh Son Of A Seventh Son” – A banda acabando em alto nível.

    Os próximos – Outra banda qualquer com discos médios e ruins.

  3. Leo

    Me dei o direito de comentar só os álbuns de estúdio, pra poder comparar composições.

    “Iron Maiden” – Adeus, punk! Bem-vindo, NWOBHM!
    “Killers” – Tosco E bom.
    “The Number Of the Beast” – Nasce uma lenda!
    “Piece Of Mind” – Old but gold!
    “Powerslave” – Uma obra-prima strictu sensu!
    “Somewhere In Time” – Apagado pelos vizinhos.
    “Seventh Son Of A Seventh Son” – Um clássico com estilo!
    “No Prayer For the Dying” – Sobra risada, falta música.
    “Fear Of the Dark” – Disk MTV (melhor definição, Marcão!)
    “The X-Factor” – Mergulhado na deprê. Gosto!
    “Virtual XI” – Esse sim: Só eu gosto! Rs
    “Brave New World” – Melhor retorno possível!
    “Dance Of Death” – Entretenimento.
    “A Matter Of Life And Death” – Sinceramente?
    “The Final Frontier” – Não me toca.
    “The Book Of Souls” – Melhor desde o… Rs

Comente este texto

Importante: Os comentários são moderados e por isso o seu pode demorar a aparecer. Não é preciso reenviar seu texto.