Thrash com H

SERVIÇO DE UTILIDADE PÚBLICA THRASH COM H

domingo, 25 fevereiro, 2018 por Txuca

“Sounds Of Violence”, Onslaught, 2011, AFM Records/Rock Machine Records/Die Hard Records/Rock Brigade Records/Voice Music

sons: INTO THE ABYSS (INTRO) / BORN FOR WAR / THE SOUND OF VIOLENCE / CODE BLACK / REST IN PEACES / GODHEAD / HATEBOX / ANTITHEIST / SUICIDEOLOGY / END OF THE STORM (OUTRO) / BOMBER [Motörhead]

formação: Sy Keeler (vocals), Andy Rosser-Davies (lead guitars), Nige Rockett (rhythm guitars), Jeff Williams (bass), Steve Grice (drums)

O q eu conhecia de Onslaught até sábado último era bem pouco. De ouvir falar q era foda, e de saber q eram uma banda punk de origem q virou banda de thrash. Algo ñ tão improvável, a ñ ser serem banda inglesa.

Banda inglesa de thrash é incomum (há mais alguma?), daí q fui protelando conhecer os caras. Por birra mesmo. E por achar q seriam algo meio stoner, um Corrosion Of Confomity mal acabado. Ou uma coisa torta, meio At War (q parece inglês mas ñ é) e Tank.

Ah, tb sabia terem sido das trocentas bandas q acabou numa certa época e daí voltou.

A conjunção favorável de eu encontrar este “Sounds Of Violence” a 15 golpes – e já faz tempo q estava numa certa loja na Galeria – me fez finalmente experimentar. E o q digo é q o retorno foi muito maior q a baixa ou nenhuma expectativa. E ñ pela baixa expectativa em si: o álbum é impressionantemente thrash, como se tem q ser, o q ñ quer dizer CLICHÊ.

Tirando a “intro” inicial e o “outro” obviamente final (clichês!), TUDO o q consta no meio impressiona. Composições com dinâmica e raiva. Nenhuma parte limpa. Nem nos vocais raivosos; a ponto de eu achar q havia mais de um vocalista. E ñ há (porra!). E o maior destaque: guitarras inspiradas, saraivando riffs, bases e solos sempre pertinentes, jamais desnecessários ou repetitivos. Nem óbvios. Como tem q ser.

Pra explicitar melhor o q quis dizer com “dinâmica”: os sons, mesmo parecendo um tanto longos, o são pq precisam ser. O q me remete ao Coroner: composições bem desenvolvidas, sem encheção de linguiça ou partes desnecessárias. Além disso: vários os momentos sem bateria, com bases/riffs acompanhados de pratadas secas. Artifício até manjado noutros tempos, mas q faz uma diferença positiva, a meu ver.

Claro q estou ainda numa fase de arrebatamento, de me encantar com o negócio, q é anterior às racionalizações chatas de procurar semelhanças/chupins ou ficar buscando afinidade com outras bandas de thrash consagradas. Mais por cognição q por chatice. Por ora, alguns vocais lembram-me Exodus (no bom sentido, ñ na “voz de pato”), mas poderia ser Destruction ou Death Angel (da volta), e na verdade isso pouco importa.

****

O q consigo já dizer é de ficar realmente impressionado por um trampo desse ter saído em 2011. Soa como disco oitentista, com malícia – óbvia – de banda veterana e produção contemporânea q em nada estragou, só valorizou a porradaria. Tipo os “Thrash Anthems” do Destruction. Poderia passar como disco de regravações, e ñ é. É banda de som e identidade próprias. É Onslaught. E agradeçamos a Crom pela tecnologia.

Pra citar sons: a partir de “Godhead” até “Suicideology”, tudo faz sentido. Ñ q a primeira metade ñ faça, apenas tenho preferido a metade final. Músicas repletas de partes q ñ enchem a paciência, ao menos ñ a minha. “Hatebox”, me fez descrer em tanta mudança: achei umas horas (mais de uma vez, quando ouvia de primeira) q já havia mudado o som. Continuava “Hatebox”. E continuava foda.

E com riffs, caralho, riffs incríveis. Diretos e objetivos. Os meus preferidos em “Godhead”, em “Antitheist” e em “Suicideology”.

No fim, há uma versão legalzinha de “Bomber”, faixa bônus e anterior ao oportunismo de tributos ineficazes a Lemmy Kilmister. Com participação de Tom Angelripper nos vocais e de Phil Campbell tocando guitarra, sei lá se fazendo solo ou ajudando com riff. Pois ficou mais porrada e com início e fim lembrado “Creeping Death” do Metallica. Ruim pra fundamentalistas, legalzinho (reiterando) pra mim.

O único aspecto desfavorável neste lançamento nacional – este q anacronicamente adquiri e pus pra tocar e deu vontade de resenhar – é a porqueira da embalagem. O desenho bacana da água na capa (meio Slayer, mas ñ desmerece) está invisível, assim como o título. Perdidos no fundo preto, q no fim é só fundo + o logo da banda. Parecendo capa de fita demo mal xerocada.

O encarte, por sua vez, pouco/nada permite ler informações de ficha técnica. Tudo em vermelho em fundo preto. Dá pra ler as letras (menos mal – e ainda ñ me ative às mesmas), mas fico pensando q se teve tanta gente brasuca pondo suas logomarcas de “selo” no acrílico e na contracapa – e esses dá pra ver certinho – poderiam ter tido o cuidado de revisar a apresentação.

Pq é o tipo de coisa q depõe contra o “produto”, e me faz pensar q a tal loja na Galeria do Rock ainda terá cópias e cópias de “Sounds Of Violence” ali no cantão da vitrine, meio escondidas e custando 15 golpes, ainda por muito tempo. Sem q neófitos interessados cobicem comprar. Ou até começarem a cobrar 10 golpes, 5 golpes…


CATA PIOLHO CCLXIV – equivocado acusarmos chupim. Chamemos de ‘capas de inspiração semelhante’

“Heaven And Hell”, Black Sabbath (1980)

“1984”, Van Halen (1984)

6 respostas

  1. märZ

    O Onslaught é um raro exemplo de banda thrash oitentista que acabou e voltou anos depois BEM melhor do que era. Pode caçar os dois outros albuns pós volta que são muito bons também.

  2. Tiago Rolim

    E ambas as capas tem a mesma fonte. Uma foto dos anos 1920. Procure e verá. Chega a assustar ver a foto e comparar com o Heaven and Hell. Na boa, se tivessem colocado a foto original ia ficar mais macabro.

  3. märZ

    Você tocou num ponto que sempre achei curioso: a Inglaterra nunca foi grande geradora de bandas thrash metal. Quando se fala em Europa, a Alemanha sempre foi a ponta de lança.

    Nos anos 80, somente o Onslaught mesmo aportou por aqui com “The Force”, via Woodstock. Mas posso indicar uma outra também muito boa, recomendação na época do Moisés da Hellion, que gravou pra mim em cassete: Xentrix, com seu debut “Shattered Existence”, de 1989. Vale conhecer.

  4. Cassio

    Teve tb o Sabbat ali na Inglaterra. Lançatam 3 discos entre 1988 – 91.

  5. Marco Txuca

    Mesmo assim, ainda são pouquíssimas bandas. Curioso, haja visto o Motörhead ser inglês. E referência pro thrash em geral.

    Mais curioso ainda é o Venom (um Motörhead muito piorado), mas inglês, ter sido – aí, sim – referência pra thrash alemão e thrash americano.

  6. Jessiê

    Só escutei alguma coisa lá nos idos de 80 como o marZ falou e nem me lembro de nada, achava genérico.

Comente este texto

Importante: Os comentários são moderados e por isso o seu pode demorar a aparecer. Não é preciso reenviar seu texto.